Sexta-feira, 26 de Março de 2010

None of your business!!

Nesta zona do país (que não é nos meus Algarves), vive-se muito intensamente a vida dos outros. Vive-se ainda mais intensamente o estado civil das pessoas. Assim, não obstante eu estar aqui para fazer o meu trabalho e ponto final, é raro o dia em que alguém não pergunta se sou casada ou solteira.

As formas de questionar tão pertinente facto vão desde a pergunta directa, à pergunta cheia de rodeios, à cusquice com os meus colegas.

"Então é menina ou senhora?"; "Não sei se é casada...."; "Não vejo aliança, não deve ser casada..."; "a menina que está ali é casada ou solteira?"; "a menina que veio aqui é da família de alguém aqui dentro?"

Se as perguntas viessem de homens bem apessoados, disponíveis e com idade para me fazerem filhos, eu ainda percebia este interesse. Mas como a questão surge, na sua esmagadora maioria, de mulheres na 3ª idade, já começo a ficar com comichão. Mas para que raio é que interessa tanto saber o estado civil de alguém que não conhecem de lado nenhum; de alguém que não contribui em nada para a vossa felicidade???!!

A sério, isto faz-me uma confusão do diabo. Por exemplo, eu andei dois anos a correr para o ortodontista e aquilo que menos me veio à cabeça foi se as pessoas que lá estavam a trabalhar eram solteiras, viúvas, divorciadas, relaxadas, primas, avós ou tias de quem quer que seja.

Será que as pessoas ficam preocupadas em saber o que é que uma rapariga faz no meio de tantos homens (sim, deviam esperar que se houvesse para aqui uma orgia ao fim do dia, alguém lhes fosse contar) e vai daí se ouvirem que a menina é casada ficam mais descansadinhas?! Ou então talvez se avalie as pessoas por esse detalhe e eu é que desconhecia estes costumes.

Não há pachorra e eu faço questão de dar a volta ao caso e não dar resposta directa. Mas claro está que, contrariamente a mim que devia mandar na minha própria vida, a D. Milu (o colega alcoviteiro que tenho que aguentar diariamente), faz questão de espalhar por meio mundo que eu sou a "mulher" do Ken. 

 

Vou começar a perguntar se querem casar comigo ou se conhecem alguém interessado. E depois queixem-se do mau feitio e venham cá dizer que é por eu ser "moura".

 

 

Sinto-me: algarvia marafada
acompanhamento musical: none of your business - Salt n´ Peppa
redigido por Marafadinha às 13:10
link do post | opinar | opiniões dos marafados (16) | favorito
|
Segunda-feira, 22 de Março de 2010

Hino aos rabos

Sim, vou falar de rabos. Tal deve-se a um rasgo de luminosidade que me passou pela zona frontal do cérebro e, quando assim é, não há nada a fazer.

As meninas que me perdoem mas, já que nenhum homem se chega à frente (que eu tenha conhecimento), está na altura de uma mulher tratar do assunto.

É certo que nós mulheres temos mil e uma taras e manias (o Marco Paulo é que percebe disto e o resto é treta), mas há já algum tempo que constato uma em particular.

Desde  conservas com amigas, colegas de trabalho e observação do mulherio do ginásio, é fácil perceber que existe um preconceito com os rabiosques por parte daquelas que têm uma traseira mais... generosa. Vai daí, toca a esconder o dito cujo com roupa até meio da coxa ou casacos e blusas atrelados à camionagem.

Ora minhas amigas, não é que eu vos ande a tirar as medidas da carroçaria que nem uma louca, mas tenho olhinhos de lince e deixem que vos diga, essa tara não tem fundamento algum. Aliás, 90% das mulheres que se queixam de ter o rabo demasiado grande, estão dentro da normalidade e têm apenas e somente um rabo que qualquer homem há-de considerar... "jeitosinho"! Portanto, está na hora de se deixarem de tretas (para não usar outro termo), desistir de melgar os ouvidos da família e amigos, e mostrar aquilo que os vossos paizinhos vos deram com o mesmo orgulho com que a JLo se bamboleia com qualquer trapinho.

Já não há pachorra, miúdas!

Eu por exemplo, queixo-me que podia ter mais rabo mas a verdade é que não se pode ter tudo e se a frontal já é bem fornecida mais vale assim do que parecer uma boneca "made in USA". Já tive as minhas vergonhas é certo mas uma vez que não posso atar uma camisola e espremê-las, mais vale exibi-las.

Assim sendo, apesar de ninguém me pedir opinião, tenho dito. Considerem isto uma espécie de hino aos rabiosques. 

 

E sim, minha querida amiga, pensei em si ao escrever este post.  

 

 

 

Sinto-me:
acompanhamento musical: Don´t worry be happy - Bobby McFerrin
redigido por Marafadinha às 09:59
link do post | opinar | opiniões dos marafados (14) | favorito
|
Quarta-feira, 27 de Janeiro de 2010

Yes, I Metal

Já contei que o bilhete para os Metallica já cá canta?

Oh yes!

Vai ser mais uma noitada sem dormir, que isto de ser adulta com responsabilidades e continuar a seguir os ídolos da adolescência não é pêra doce.

 

A propósito destes gostos, no outro dia fizeram-me algumas perguntas daquelas que nos atacam os nervos mas que lá vamos respondendo com muita sapiência. Por vezes dá-me vontade de levantar a mão direita num sinal de stop, abrir a goela e desbobinar de uma vez só:

* sim, gosto de preto;

* sim, invisto no look executivo e saltos altos mas já fui Metaleira de usar bota da tropa e tenho muito orgulho nisso.

* sim, gosto de ouvir de tudo um pouco (bem... com algumas excepções) mas os Metallica são a minha coqueluche de sempre. 

* sim, gosto de ouvir estas músicas em altas sonoridades;

* sim, já estive num concerto de Marylin Manson;

* sim, também tenho CDs de música chill out para meditação;

* sim, quando tiver um filho vou arranjar umas t-shirts de heavy metal para o prodigio;

* sim, tenho uma grande pancada (mas não se nota, pois não?).

 

                                                            e quem não gosta...

                                                                                               ... no problem!

acompanhamento musical: Sad but true - Metallica
redigido por Marafadinha às 11:06
link do post | opinar | opiniões dos marafados (15) | favorito
|
Quinta-feira, 7 de Janeiro de 2010

Crazy Ideas

Começo a ficar marafada com estes juízos de valor que rondam a minha pessoa. Não obstante o preconceito (que existe) para com aqueles que não colocaram os pezinhos na Igreja, ainda tenho que somar o da idade. Ora este último na realidade  não existe pois o meu Ken até é um ano (bué) mais velho que eu. Não aparento ser mais velha (penso eu de que), mas o meu Kenzito é que tem trinta e o look (gostosão, diga-se) de um jovem de vinte e poucos. O que dá isto? Dá que ninguém julga que é meu companheiro, quanto menos meu patrão.

   Assim sendo, a partir de hoje em diante vou fomentar certas ideias e está decidido. É isso mesmo, eu é que sou a patroa, eu é que sou a mulher do guito e ele é o meu... enteado! Leram bem, en-te-a-do...

Ah viram-nos às beijocas e aos apalpões?? Shiiiu! Vivemos uma relação incestuosa e vai daí damos umas voltas de vez em quando. 

Sinto-me: atrevida
acompanhamento musical: Man, I feel Like a human
redigido por Marafadinha às 09:50
link do post | opinar | opiniões dos marafados (17) | favorito
|
Quarta-feira, 1 de Julho de 2009

Man, I feel like a woman!

Ao trocar um dedo de conversa com a Vizinha sobre as minhas frustrações culinárias, dei comigo a pensar seriamente nesta coisa de nós mulheres termos que ser pau para toda a obra.

Ah pois é!

Vejamos alguns exemplos.

  • Uma mulher hoje em dia deve ter uma carreira profissional, caso contrário é o fim do mundo.               

                "- Então o que faz?              

                 - Sou dona de casa / Estou desempregada / Vivo dos rendimentos do marido

                 - Ai que horror! Não quer trabalhar / É fútil até mais não!"

       

              E assim lá se vai o exemplo de mulher pelo cano abaixo.

 

  • Uma mulher que se preze, além de uma carreira profissional, deve ter dotes de chef.

             " - Fiz um foi gras de pato divinal!

              - Ah sim! Eu fiz uns hamburgueres com ovo a cavalo pois cheguei a casa às dez da noite e só me apetecia estar sozinha para beber  um iogurte e arrumar com o assunto.

               - Ah mas quando estou cansada o Paulo cozinha!

               - Parabéns! O meu paga o restaurante, serve?"

 

             Nada feito. Agora passas a ser olhada com um certo ar de gozo pois não percebes nada de cozido à portuguesa, quanto mais de foi gras. E não serve de nada dizer que para isso existem aqueles belos restaurantes com estrelas Michelin porque aí começas a ser apelidada de fina.

 

  • Não basta a profissão e os dotes culinários, há que manter a casa sempre impecável e a cheirar a bosques da Noruega.

                 Não vão os sogros aparecer de surpresa e ficas com a fama de porquinha. Mesmo que não te sobre tempo para mais nada, a culpa nunca será do homem. Tu é que tens esse dever.

Empregada de limpeza? Isso depois é muito chique aos olhos de certas pessoas e acabas por ter a fama de quem não quer é ter trabalho.

  • Uma mulher tem obrigatoriamente de ter instinto maternal.

          Alguma de nós que tente explicar a outra alma que não pretende ter filhos, ou que não gosta de criancinhas?!

         É egoísta e prima da Cruella De Vil!

         A mulher é para dar à Luz (as vezes que apagamos as luzes que os meninos deixam acessas não conta).

 

  • Uma mulher decente não pode ser solteira por opção.

          Não senhora. Nada de opções. Ou é por ninguém a querer ou então deve ter um feitio terrível e ninguém a aguenta. É uma encalhada e não há mais conversa.

          E se nesse entretanto tiver vários encontros amorosos, passa a ser uma oferecida (para não utilizar o termo vadia).

         Ah, mas se fosse um homem era um machão! Aí garanhão!

 

 

E assim chegamos ao fim daquelas que me parecem as questões mais pertinentes de toda uma lista possível.

O que fica? Fica-nos esse desespero por ser tudo isto e mais alguma coisa. Mulher, profissional, amante, desenrascada, divertida, desportista, humilde, elegante, eficiente, mãe, nora, filha, irmã, tia, sexy, humana, acrobata (não é preciso um desenho?!), solidária...

E se abdicarmos de algum destes "deveres", haverá sempre uma outra mulher disposta a nos relembrar que não os possuimos. Aquele companheirismo feminino do costume!  

 

 

Sinto-me: mulher
acompanhamento musical: feel like a woman - Shania Twain
redigido por Marafadinha às 14:24
link do post | opinar | opiniões dos marafados (2) | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Janeiro 2013

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.Marafadices recentes

. None of your business!!

. Hino aos rabos

. Yes, I Metal

. Crazy Ideas

. Man, I feel like a woman!

.Caixinha das MaRaFaDiCeS

. Janeiro 2013

. Julho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

Page copy protected against web site content infringement by Copyscape

.tags

. todas as tags

.Visitas Marafadas

Real Estate
Contador gratuito

.Marafados Online

blogs SAPO

.subscrever feeds